sexta-feira, 27 de maio de 2016

Quero

Quero acreditar
que nosso mundo é justo e perfeito
que a maldade é só um conceito
E o que nós une é o que não se vê

Eu quero crer
Que nós plantamos a mesma semente
Não há fronteiras de corpo ou mente
Que estamos certos que vivemos em paz

Não quero saber
Da crueldade nos campos de guerra
Nem da cobiça dos generais
Nem da preguiça que paralisa

Quero sentir
A alegria no olhar da criança
O despertar da consciência dormida
Que a única raça que existe é a humana

Quero acreditar
Que a única forma de Deus é o amor
Que a única perda real é a da razão
Que somos feitos com a mesma intenção

Eu quero crer
No perdão como forma de ser
na relação que existe entre nós
No resplendor deste dia que vem

Não quero saber
Que ainda não demos um salto no espaço
Que estamos longe do nosso destino
Somente perto de total desatino

Quero sentir
Que estamos prontos pra abraçar nossos filhos
estamos indo para o novo jardim
estamos perto de encontrar um novo começo

Aviões de papel

No mundo há bilhões de histórias
Que nunca são contadas em livros
Nós nunca teremos a sorte
De lermos depois do jantar

Histórias mil - heróis anônimos -
De velhos, crianças e jovens
Um álbum de fotografías
Rostros que nunca verei

Um infinito mar de luzes
De filmes, livros e canções
Memórias de mundos reais
Destinos que não cruzarei

Pairando no céu azul
Como as gaivotas do mar
Planando frágeis no ar
Como aviões de papel

Quero

Quero acreditar que nosso mundo é justo e perfeito que a maldade é só um conceito E o que nós une é o que não se vê Eu quero crer Que ...